Quais são as razões e o impacto do acordo de cooperação Renault - Nissan para o futuro do grupo Renault?

Convencida – desde antes da aliança com a Nissan – de que sua estratégia de crescimento rentável passaria necessariamente pelo seu desenvolvimento no âmbito internacional, a Renault reforçou suas antigas posições, por exemplo, na Turquia e/ou na Argentina, e lançou, nesses últimos anos, uma ofensiva nos novos mercados com forte potencial de crescimento, tais como o Brasil, o Leste da Europa, a Rússia...

A aliança estabelecida com a Nissan permitiu acelerar essa estratégia, utilizando as sinergias geográficas do novo conjunto: assim, Nissan possibilita o retorno de Renault no México e seu desenvolvimento no Japão ou na zona da Ásia – Pacífico. Por outro lado, Renault dá sustentação à Nissan na Europa e no Mercosul.

Quais são os termos do acordo entre Renault e Dacia?

Em 29 de novembro de 1999, Renault adquiriu 51% do capital da montadora romena Dacia, por um montante de 50 milhões de dólares. No fim de junho de 2000, essa participação passou a ser de 73%. As duas montadoras, nos anos 60 e 70, haviam estabelecido estreitas relações; Dacia, com a licença da Renault, fabricava modelos de Renault 12. Renault investirá, na Dacia, perto de 200 milhões de dólares em cinco anos, para recolocá-la no nível do plano técnico e de produtividade. Objetivo: desenvolver um veículo moderno, custando 5 mil euros, que deverá permitir ao grupo Renault conquistar partes do mercado nos países emergentes.

Quais são os termos do acordo entre Renault - Samsung ?

Em maio de 2000, Renault era a primeira montadora ocidental a fazer sua entrada no segundo mercado da Ásia, a Coréia do Sul, adquirindo a Samsung Motors, que até aquele momento era a filial do conglomerado Samsung. Renault vai deter 70,1% das partes da sociedade conjunta criada com esse objetivo, entre Renault, o grupo Samsung (19,9%) e os credores de Samsung Motors (10%). Essa aquisição se apóia nos laços técnicos entre Samsung e Nissan. A nova sociedade continuará a produção do veículo atual, a SM5, derivada de um veículo Nissan, mais tarde deverá, progressivamente, lançar uma linha de veículos de origem Renault ou Nissan adaptadas ao mercado coreano. Objetivo: após o impulso da usina de Pusan e da rede comercial, Renault espera vender, num primeiro momento, 150 a 200 mil veículos até 2005, inicialmente na Coréia e, mais tarde, exportando.

Por que a Renault possui dois sites na Web (.com e .br)?

O site Renault www.renault.com é o site institucional do grupo Renault no mundo. Além de sua vocação corporativa, ele permite dirigir todos os visitantes aos sites que respondem o mais precisamente possível as suas expectativas. O site www.renault.com.br possui uma vocação comercial direta e informa os visitantes sobre produtos, serviços e ações da Renault no Brasil.

O que é o Circuito Renault Cartão Fidelidade? Como posso adquirir este serviço?

O Programa de Fidelidade Renault é voltado para a área de Pós-venda para qualquer pessoa que tenha interesse em participar. Ele traz algumas vantagens para os clientes na compra de Peças, Acessórios, Butique. O Programa não é voltado para a compra de veículos novos ou usados e nem aplicado para a mão-de-obra na oficina da Concessionária.

Existe um site na internet específico à presença da Renault na Fórmula1?

Sim, existem dois sites: um internacional em francês e em inglês com o endereço: www.renaultf1.com e o site nacional em português no endereço www.renault.com.br/f1.

Quais são os modelos que marcaram o século?

Do carro de 1898 com sua ligação direta (uma inovação Renault, que revolucionou a mecânica do automóvel e que foi adotada por todas as montadoras) ao Scénic RX4, primeira minivan compacta com quatro rodas motrizes, a Renault foi extremamente ativa na inovação do automóvel, antecipando, ao longo do século 20, a evolução do gosto e dos comportamentos dos consumidores de automóveis. O século 21 se anuncia, mais do que nunca, sob o signo da audácia e da diferença.

Onde se pode encontrar uma lista dos clubes dos apreciadores de veículos Renault de coleção?

Uma lista de clubes está disponível no site www.renault.com. Os clubes e os particulares que possuem sites na internet estão também referenciados no site www.renault.com, sob a rubrica Paixão (Passion).

Existe um museu Renault?

A coleção Renault na França é um tesouro inigualável. Mais de 650 modelos de todos os gêneros, carros puxados por animais, saídos de oficinas da Renault, desde 1989, além de motores de avião, prensas de transferência, protótipos, carros esportivos (Rallye e Fórmula 1), carros-conceito, produtos de pesquisa e de desenvolvimento. A coleção Renault, inteiramente privada e mantida com muito cuidado, cede regularmente algumas de suas peças para exposições, salões mundiais e eventos de caráter histórico.

Quais os meios empregados pela Renault para a passagem para o Euro (moeda usada por um conjunto de países da Europa)?

O encaminhamento da Renault face ao euro se faz em duas etapas. Primeira fase: a partir de janeiro de 1999, e durante todo o período de transição (até dezembro de 2001), o compromisso "euro - Renault" permite realizar transações com os clientes que o desejarem. Isso quer dizer:

- a exibição dos preços

- os orçamentos, as tarifas

- a fatura e os pagamentos

- o financiamento DIAC/RCI

Segunda fase: alternância com o euro nos sistemas de informação do grupo Renault. Em 1º de janeiro de 2002, data a qual o euro irá substituir as moedas nacionais, o conjunto das aplicações de informática deverá utilizar o euro como moeda de referência, de transação e de histórico. Em razão da complexidade técnica e de volumetria, e para passar o último vencimento sem riscos, o grupo Renault decidiu parcelar a sua alternância no tempo, entre março de 2000 e março de 2001.

Qual é o procedimento para candidatar-se a um cargo ou estágio na Renault ?

Você poderá encontrar no site www.renault.com.br/trabalhe-conosco, dentro da área "Novidades" um link para o envio de currículos.

Qual é a política de reciclagem da Renault?

O automóvel é hoje um produto quase inteiramente reciclável. Assim, o chumbo das baterias serve de lastro para os navios, os óleos dos tanques são tratados para ser utilizados como combustível; a borracha dos pneus pode servir para a construção de paredes anti-ruídos; as espumas dos bancos entram na composição dos tapetes, a maior parte dos plásticos (que vêm das fivelas) se tornará carenagem ou recipientes para as baterias, o vidro será convertido em garrafas ou em vitrais para os prédios.

Por outro lado, 100% do metal de um carro reciclado: o aço é convertido em armadura para o berílio (substância química), como chaveiros.

Quais são os novos materiais utilizados nos veículos?

Graças ao seu conhecimento e à utilização de novos materiais, Renault conseguiu estabilizar o peso de seus carros. Estamos fazendo pesquisas para ir ainda mais longe nessa via. Com o seu protótipo Mosaïque, Renault provou que era possível recorrer aos compostos para as peças de estrutura e assim ganhar 25% do peso do carro. Numa posição de ponta com relação ao uso de peças de plástico, Renault está procurando introduzir esse material nos acessórios do motor, tais como a bomba de água. O plástico poderia também integrar o interior de algumas funções das caixas de câmbio. A Renault tem também o recurso dos polipropilenos com alta cristalização. Os vidros dos faróis são produzidos com policarbonato, cuja transparência é próxima do vidro, mas de resistência superior. Nós estamos trabalhando para estender essa técnica aos vidros laterais e aos tetos solares.

Quais são os meios utilizados pela Renault para economizar energia e proteger o meio ambiente?

Renault adotou um encaminhamento sistemático de gerenciamento do meio ambiente para produzir carros limpos em fábricas limpas. A concepção de seus produtos e de seus sites industriais integra um objetivo ecológico. Por outro lado, Renault desenvolve e acelera a pesquisa sobre energias alternativas.

Carros limpos: o trabalho rigorosamente efetuado sobre os motores (redução do consumo, da poluição, do barulho) e sobre os veículos (redução do peso e portanto do consumo) permite a Renault antecipar os problemas futuros e estar na vanguarda com relação às próximas normas européias. O fim da vida de um carro deverá também ser limpo. Um carro Renault é hoje, em média, reciclável perto de 85% de seu peso.

Fábricas limpas para garantir a limpeza do meio ambiente, a qualidade do local para o pessoal, e a qualidade dos produtos (uso de pintura hidrossolúvel, limitação para as transferências atmosféricas, controle total dos fluidos, tratamento dos dejetos, do barulho...) A maioria das plantas industriais da Renault no mundo já possuem o certificado ISO 14001 (prova da validade do sistema de gerenciamento do meio ambiente instalado e de sua capacidade de melhorar continuamente).

As energias alternativas: esse aspecto da pesquisa, geralmente desenvolvida em parceria (grandes grupos, universidades e instituições) no âmbito de programas europeus, visa obter a "transparência total do carro no seu meio ambiente, com objetivo de "emissão zero". Além da utilização de combustíveis alternativos (GPL, GNV), Renault explora a via do veículo elétrico único e híbrido (modo elétrico na cidade e térmico na estrada), mas também o da pilha de combustível (hidrogênio + oxigênio = água + potência elétrica), que possibilita ao motor elétrico a autonomia que ainda lhe falta.

Quais os tipos de veículos limpos (não poluentes) que a Renault constrói?

Você pode consultar a rubrica "Découverte" no site do Grupo Renault, que oferece uma coleção de fichas Renault sobre Pesquisa e Desenvolvimento e onde pode ser encontrado o texto "As energias de amanhã".