image

Corremos muito para chegar até aqui

O automobilismo foi a inspiração para a Renault dar a largada. Há mais de 120 anos surgia um novo carro, que tinha na potência sua marca registrada.

A adrenalina das pistas motivou os irmão Renault a desenvolver motores cada vez mais potentes.

Depois de percorrer tantos circuitos e ganhar tantas competições, a Renault chegou aos dias de hoje.

primeiros-dias

Renault , uma aposta vencedora

A Renault surgiu como uma aposta.
Os amigos de Louis Renault juraram que seu carro jamais subiria a rua Lepic, em Montmartre, a mais íngreme ladeira de Paris.
Para vencer a aposta, Luis criou o Voiturette A, primeiro carro da marca; e deu certo.
A performance dos motores Renault logo chamou a atenção nas pistas.
Em 1901, seus carros conquistaram as quatro primeiras colocações no rali Paris-Bordeaux e os dois primeiros no Paris-Berlim.
Mais que uma consagração dos seus motores e da sua performance, as competições automobilísticas foram a grande estratégia para tornar a marca conhecida.
E funcionou, a Renault ganhou fama batendo vários recordes de velocidade.

chegada-gordini

Gordini, o carro que virou lenda

Sua passagem pela história foi tão rápida quanto o carro nas pistas. Em 1958, nasceu o lendário Renault 8 Gordini, que rapidamente se tornou um símbolo de sucesso para uma geração de pilotos. O nome GORDINI foi uma homenagem ao seu criador, Amadeo Gordini, famoso projetista de carros de competição. A vocação esportiva do carro se explica: o veículo ágil e compacto acelerava de 0 a 100 km/h em cerca de 28 segundos e alcançava mais de 120 km/h, velocidade incrível para a época. A versão esportiva tinha carburador duplo, novo comando de válvulas e escapamento mais aberto, mudanças que faziam a potência do Gordini ir para 42 cv a 5.800 rpm. Em 1966, a grande popularidade do carro levou à criação da Copa Renault 8 Gordini. Em 1970, o lançamento do Renault 12 Gordini foi celebrado com o "G Day", um encontro de donos de Gordinis no Circuito Paul Ricard, na França. Ao mesmo tempo, foi lançada a Fórmula Renault que trazia em seus carros o consagrado motor do Renault 12 Gordini. Se no passado o Gordini foi objeto de desejo devido à sua esportividade, hoje ele é a paixão de colecionadores, mais uma recompensa por tantos anos de glória.

aquisicao-alpine

Aquisição da Alpine

Em 1973, a Renault se tornou acionista majoritária da Alpine. 1973 provou ser um bom ano para a marca, quando o Alpine A110 "Berlinette" venceu o primeiro Campeonato de Rally Mundial.

aquisicao-alpine

Dauphine: performance nas pistas e nas vendas

A performance do Dauphine foi bem além das pistas. Lançado em 1956, este sucessor do 4CV representava como nenhum outro a estética dos anos 60. Tinha equipamentos impensáveis nos veículos da época: câmbio automático, aquecimento interno e bancos reguláveis. Tantos diferenciais conquistaram o publico e fizeram do Dauphine um campeão de vendas com 2.150.738 unidades comercializadas até o seu último ano de fabricação, em 1967.

Nossa história na Fórmula 1

Renault e a competição de referência

primeiros-passos-f1

Primeiros passos na Fórmula 1

Nossa história com o automobilismo começou com a chegada da Amédée Gordini, conhecida por seus carros em grandes prêmios. A Renault construiu a fábrica de Viry-Châtillon para abrigar suas criações. Graças à Gordini, a Renault se concentrou primeiro em um motor V6 2.0 L, que foi revelado em janeiro de 1973. Ela passou a ser competitiva no famoso Campeonato Europeu de carros esportivos de 2 litros.

Motivada por este sucesso, a Renault entrou para o Campeonato Mundial de carros esportivos da FIA e desenvolveu uma versão turbo do motor.

A Renault Sport foi oficialmente fundada em 1976 quando um programa de competição de monopostos foi lançado:

Fórmula 2, Sport Le Mans e, então, a Fórmula 1 em 1977. A Renault deu seus primeiros passos na Fórmula 1 como equipe. A marca trilhou o caminho com uma inovação chave: o turbo. Com seus competidores usando motores atmosféricos, a Renault produziu um motor V6 com turbocompressor. Ao mesmo tempo, Didier Pironi e Jean-Pierre Jaussaud venceram as 24 Horas de Le Mans de 1978 em seu Alpine-Renault A442B, movido pelo motor Renault V6 turbo.

A Renault teve sua primeira vitória na Fórmula 1 em 1979, no Grande Prêmio da França, com Jean-Pierre Jabouille pilotando o RS11.

No início da década de 80, a Renault venceu 15 grandes prêmios e foi vice-campeã no Campeonato Mundial de 1983, graças a Alain Prost, antes dele deixar a competição no final da temporada de 1985.

A aposta da Renault no motor turbo, desacreditado na época, realmente compensou.

retorno-vitorioso

Consagração

A Renault voltou à Fórmula 1 como equipe, em 2002, ao adquirir a consagrada Benetton. O retorno da Renault F1 Team coincide com a chegada de um piloto chamado Fernando Alonso, que venceu dois Mundiais de Pilotos consecutivos pela marca, em 2005 e 2006. 

A nova equipe também venceu dois Mundiais de Construtores no mesmo período. 

Em 2011, querendo focar suas atividades como fabricante de motores, a equipe foi vendida para a Genii Capital. O movimento foi certeiro: usando os motores da Renault, a Red Bull foi tetracampeã mundial entre 2010 e 2013. 

Ao volante do imbatível Red Bull-Renault, Sebastian Vettel tornou-se o mais jovem campeão mundial da história da Fórmula 1, um recorde que permanece com ele até hoje. 

Em seus 43 anos na Fórmula 1, a Renault construiu números muito difíceis de serem alcançados por outras marcas, incluindo 12 títulos de Construtores e 11 de Pilotos, conquistados por alguns dos maiores nomes do esporte. 

12 Mundiais de Construtores
1992 (Williams), 1993 (Williams), 1994 (Williams), 1995 (Benetton), 1996 (Williams), 1997 (Williams), 2005 (Renault), 2006 (Renault), 2010 (Red Bull), 2011 (Red Bull), 2012 (Red Bull) e 2013 (Red Bull) 

11 Mundiais de Pilotos
1992 (Nigel Mansell), 1993 (Alain Prost), 1995 (Michael Schumacher), 1996 (Damon Hill), 1997 (Jacques Villeneuve), 2005 (Fernando Alonso), 2006 (Fernando Alonso), 2010 (Sebastian Vettel), 2011 (Sebastian Vettel), 2012 (Sebastian Vettel), 2013 (Sebastian Vettel). 

168 vitórias
213 pole positions 
174 melhores voltas 
457 pódios

renault-sport-2019

Nova fase

A Renault F1 Team retomou suas atividades como equipe em 2016, utilizando suas modernas instalações na produção de chassis e equipamentos na sede de Enstone, na Inglaterra, e a fabricação de unidades de potência em Viry-Châtillon, na França. 

Com mais de 700 profissionais dedicados a recolocar a equipe no topo do esporte, a Renault iniciou um projeto de longo prazo, terminando o primeiro ano na nona colocação. 

A chegada dos pilotos Nico Hülkenberg e Carlos Sainz Jr. ajudou o time a avançar ainda mais em suas pretensões. Ocupou a sexta posição entre os Construtores, em 2017, e o quarto lugar, em 2018. 

A temporada 2019 seguiu surpreendendo positivamente. Daniel Ricciardo, uma das principais estrelas da categoria, assinou contrato com a Renault F1 Team e teve participação fundamental no crescimento da equipe. 

No Canadá, conseguiu a melhor posição de largada desde que o time voltou à categoria, ficando em quarto lugar. E na Itália, a quarta posição na bandeirada foi o melhor resultado em corrida da Renault F1 Team desde o retorno em 2016.

A consolidação veio definitivamente em 2020, com Daniel Ricciardo que registrou a melhor volta na Bélgica e conseguiu um pódio na Alemanha e outro na Itália, ambos em terceiro lugar.

Renault em competições

renault-competicoes

Fórmula 1

A temporada 2020 está em andamento e você pode acompanhar cada passo da Renault F1 Team e dos pilotos, Daniel Ricciardo e Esteban Ocon, seguindo nossa página no Facebook.

FIQUE POR DENTRO

Você de Renault

Este site usa cookies para personalizar o conteúdo, adaptar, avaliar anúncios e oferecer uma experiência mais segura. Ao clicar ou navegar no site, você concorda que coletamos informações através de cookies. Obtenha mais detalhes, disponíveis nos botões ao lado.
Saber mais